No escritório (conto)

o elevador emitiu o som de que estava parando no andar onde ela trabalhava.

Olhou para a porta ajeitou os longos cabelos negros presos em um rabo de cavalo, levantou-se conferiu suas roupas em uma rápida olhada nas grandes vidraças de vidro fumê e andou a passos rápidos em direção a porta trancada por dentro, afinal tinha ficado até mais tarde para colocar alguns papeis em ordem antes de sair para o seu final de semana.

Alguns passos antes de chegar até a porta ouviu a campainha tocar duas vezes, agora tinha certeza que era ele pois tinha combinado os dois toques seguidos como código.

Respirou fundo girou as chaves e abriu a porta, lá estava ele, parado com aquele sorriso que a tinha conquistado. Mandou que ele entrasse mas percebeu algo estranho pois ele estava com as mãos para traz. Tão logo passou pela porta trocaram um beijo rápido, pois ele sabia que ali era o local trabalho  dela e poderia ainda apesar do horário ter mais alguém trabalhando também. Depois disso exibiu um ramo de flores e ofereceu a ela deixando-a surpresa, pois era a primeira vez que a presenteava com rosas vermelhas, as quais ela adorava, ele com o passar do tempo ainda conseguia surpreende-lá.

Mais um beijo ela deu nele agora um pouco mais intenso e demorado e disse a ele.

Obrigada adorei as rosas meu amor.

Achei melhor trase-las, afinal você merece.

Ela respondeu com mais um belo sorriso e disse para ele sentar-se enquanto andava ate sua mesa. Ele sentou e acompanhou seu andar e sentindo seu pau crescer dentro de suas calças, para relaxar pegou uma revista e começou a folhar, mas seu olhar foi em direção daquela mulher ainda de pé….com 1,59 de altura, pesando uns cinqüenta e poucos quilos, cabelos begros, vestindo uma saia preta pouco acima dos joelhos com uma abertura atraz que denunciava suas formas. Vestia uma camisa branca com um sultiem por baixo também branco não exibindo o volume do par de seios e nos pés uma sandália de salto alto que ajudava a deixar sua bunda ainda mais empinada. Já ele com cabelos castanhos claros 1,70 de altura com 70kg, trajando uma calsa social preta e uma camisa azul royal com um blaser azul marinho por cima e sapatos também pretos. Seus nomes Carla e Paulo, quando juntos sempre chamavam a atenção pois formavam um belo par.

Enquanto ele voltava os olhos para a revista para continuar a folheando ela começou a organizar os papeis que estavam sobre sua mesa e guardar seus objetos de trabalho, desligou o computador e pensou esta na hora de por meu plano em andamento. Ela sabia que todos seus colegas já haviam ido embora, então estavam somente os dois sozinhos, então disse a ele:

Vou ao banheiro e poderemos ir.

Ele ascenou que sim balançando a cabeça.

Voltando ela foi até ele, curvou o corpo e balbuciou em seu ouvido:

Tudo pronto,….. não te disse antes mas estamos só eu e você aqui, todos já foram embora.

Ainda na mesma posição beijou-o novamente só que agora de uma forma mais intensa e voraz, afinal havia se passado uma semana que não se viam pois ele estivera viajando a negócios para sua empresa.

Ao mesmo tempo que o beijava ele se afastou um pouco e ao abrir os olhos viu no vidro a sua frente aquela bunda ainda mais empinada pela posição que ela estava, nesse momento ele sentiu as mãos dela tocando seu pau por sobre a calça sgarganta, o volume balbuciou

Estava com saudades dele dentro de mim.

Paulo respondeu:

Se for seguro ele é todo seu.

O segurança só faz sua ronda lá pelas 10:30, então temos tempo suficiente.

Bem eram apenas 19:30.

Neste momento ela abriu o zíper da calça e colocou sua mão para dentro para sentir aquele objeto de seu prazer sem o tecido entre eles. Puxou para fora e o beijou primeiro na cabeça lustrosa, depois foi beijando por toda sua extensão até as bola e voltou ao inicio, ouviu o gemido de Paulo e sentiu o pau pulsar ainda mais entre uma de suas mãos enquanto com a outra acariciava as bolas, sem pensar muito abocanhou lentamente aquele pau e foi enfiando ate chegar a sua base quando sentiu que estava batendo em sua garganta, faltava pouco para engolilo por completo mas recuou e comessou a sugar a que consegui introduzir em sua boca.

A principio com movimentos lentos de vai e vem e depois mais rápido faziam Paulo delirar, mas ela não queria que ele gozasse ainda e nem ele queria ainda. Assim ela parou e começou a tira as roupas de Paulo, o blaser, a camisa, beijando seu peito e por fim a calça junto com a cueca boxer preta que ele usava.

Em um movimento rápido ele se levantou e a beijou enquanto desabotoava a blusa deixando exposto o soutien em seguida abriu o zíper da saia que foi repousar sobre o carpete.

Tocando sua bunda percebeu que ela estava sem calcinha, mas percebeu que quando ele entrou e a viu indo até sua mesa ela estava usando. Ela interrompeu o beijo

Seu bobo o que acha que fui fazer no banheiro?

Estendeu sua mão e entregou a calcinha a ele, que de tão pequena sumiu em suas mãos, ele a beijou novamente aproveitando para deslizar suas mãos por seu corpo parando em seu sexo onde percebeu sua excitação pois estava supe molhada. Então a levou até um sofá próximo fazendo ela sentar, se abaixou beijando nos lábios escorregando por seu pescosso indo ate os seios que foram beijados por sobre o sutien , retirando-os e começando a suga-los primeiro um r depois o outro enquanto que com uma das mãos tocava aquele que não estava sugando, e com a mao que estava livre acariciava o clitorez dela, levando-a as altura, como ela adorava isso, ele sabia realmente como tratala. Descendo ainda mais passou pela barriga enfiou a lingua em seu umbigo deixando e sugando o trajeto e depois descendo ainda mais chegando finalmente na vagina de Carla que exalava um delicioso perfume.

Beijou e acariciou a parte interna de suas coxas lentamente ate chegar próximo do lábios vaginais, sentindo pequenos tremores no corpo de Carla que a essa altura fal a vá palavras desconexas. Ele conseguia seu intento. Passou então sua lingua áspera pelos grandes lábios ainda mais vagarosamente subindo ate tocar o grelinho dela, nesse momento ela puxou pela nuca a cabeça de Paulo para mais proximo de sua vagina e urrou forte. Ela tinha gozado em sua boca e sentiu todo o néctar que saia de dentro dela, o que adorava. Foi então em direção ao rosto dela e mais uma vez a beijou, ele sabia que isso a deixava excitada.

Então Paulo se posicionou e a penetrou vagarosamente para sentir todo aquele calor da bucetinha de Carla. Ele ia centímetro a centímetro penetrando-a, ele era sempre muito carinhoso com ela. Depois de ter penetrado por completo e els ter sido toda preenchida, ele começou os movimentos de vai e vem, primeiro lentamente e foi intensificando os movimentos. A cada estocada ela gemia e pedia que ele metesse mais fundo, mais vigoroso.

Depois de alguns minutos Paulo anunciou que iria gozar, e inundou a buceta de Carla com seu sêmen abundante e viscoso e ela gozou junto com ele. Um gozo intensso que ela queria que durasse mais tempo.

Se abraçaram ofegantes e ficaram imoveis deixando seus corpos voltarem ao normal.

Passado algum tempo Carla pegou no peniz de Paulo ainda mole, ela sabia que não poderiam perder muito tempo pois as horas avançavam rápido, e ela ainda queria mais uma coisa ali mesmo antes de terem que ir para casa. Carla começou a punheta-lo lentamente e olhou para ele maliciosamente. Neste instante Paulo começou a tocala por todo corpo e depois de alguns minutos se pau já dava sinal de vida, apontando para cima. Carla se posicionou de quatro e disse

Vem meu garanhão ainda falta um buraquinho pata você preencher, come meu vizinho.

Paulo então se posicionou atraz dela e a penetrou na buceta para deixar seu pau bem lubrificado com os líquidos de Catla e porra do seu gozo anterior, passou também um de dendo dentro dela e colocou dentro do rabinho para ladear e depois dois. Quanto percebeu que já esta bem lubrificado posicionou seu pau na portinha dequele cusinho apertadinho e foi forçando devagar, ela já havia comigo aquele cusinho, portanto sabia que ela também colo ele gostava. A cabeça passou pelo esfíncter, faltava o resto, mas com paciência foi forcando e logo sentiu seu corpo tocar a bunda de Carla que com ajuda das mãos abria os dois hemisférios de sua bunda para facilitar a penetração. Paulo então parou para que o vizinho se acostimace com o volume se seu falo e depois começou a movimentar se corpo se aproximando e se afastando do corpo de Carla, que a essa altura emitia gemidos e urroz de tesão enquando se tocava batendo uma ciririca. Depois de minutos nesse vai e vem Paulo disse que iria gozar e encheu aquele rabinho de porra enquanto Paula também atingia o ápice gozando loucamente. As pernas de Paulo tremeram e ele se deixou cair por sobre Carla, que também foi abrigada a se apoiar no encosto do móvel.

Depois de algum tempo olharam para o relógio e perceberam que estava quase na hora do segurança passar em sua ronda, correm até o banheiro após pegarem suas roupas sr limparam e vestiram-se.

Voltando para do banheiro ouviram barulho de chaves na porta e está se abrindo, Carla percebeu que sua calcinha repousava em cima da mesa correu e a pegou. O segurança entrou e a comprimentou com um boa noite e em seguida perguntou se estava tudo em ordem. Carla respondeu que sim e apresentou Paulo em seguida pegouvas flores e suas coisa e saíram aproveitando a presença do segurança que trancou a porta e continuou sua ronda.

Os dois embarcaram no elevador que ficou ali parado e ao fechar as portas riram muito da situação que por pouco poderiam ter sido pegos.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *