Indo para Goiânia vender roupas

Eu e Kelly (o nome que darei para ela), depois de nos conhecermos em 2007 quando ela tinha 33 anos, começamos a nos encontrar a cada 15 ou 20 dias, de acordo com o que ela conseguisse arrumar seus horários de trabalho externo, e principalmente, justificativas para viagem longe de seu marido. Logo em seguida ao nosso primeiro encontro, marcamos de nos encontrar novamente em minha cidade porque ela precisava comprar alguns artigos para sua loja, algumas amigas a acompanhariam e seu marido não ficaria no pé. Chegada a data, ela partiu de carro e fiquei no seu aguardo. No final da tarde me ligou avisando que havia chegado, estava num hotel bem próximo de minha casa e daria um jeito de avisar para suas amigas que iria descansar da viagem, já que elas queriam ir para um barzinho e para não dar muito na cara, ela já chegou reclamando de dor de cabeça.

Feito isso, fui para casa mais cedo, e assim que suas amigas sairam, me ligou para que eu fosse até lá porque queria me dar um beijo dentro de seu quarto, aproveitando que estava sozinha. Como era próximo, fui andando e assim que cheguei na portaria me identifiquei e a recepcionista me autorizou subir no primeiro andar onde ela estava hospedada. Bati na porta, e ela abriu a porta rapidamente, me puxou para dentro e pediu silêncio, porque achava que uma de suas amigas que estava no outro quarto não havia saído com as demais. Trancou rapidamente a porta e nos beijamos longamente, enquanto nossas mãos passeavam por vários locais dos corpos.

Assim que ela parou de beijar, me pediu que eu ficasse deitado com as pernas para fora da cama, com as calças arriadas, estranhei, mas, cumpri o solicitado. Ela se ajoelhou e segurando meu pau, começou a mamá-lo como se fosse a última coisa a ser feita na terra, tamanho a força que fazia, e o pior, eu não poderia fazer barulhos… foi sofrível. Como ela tem seios bem fartos, parava em alguns momentos para ficar passando meu pau entre seus seios, era uma de suas especialidades fazer uma espanhola, e de fato se saía muito bem, demonstrando grande habilidade e experiência nesta tarefa excitante.

Alguns minutos depois, pediu silêncio novamente após seu celular soar um toque pela chegada de alguma mensagem, e olhando o conteúdo da mensagem com certa dificuldade entre uma mamada e outra, pediu que eu não falasse nada, porque seu marido queria notícias dela, se a viagem tinha sido boa, e ela precisaria ligar pra ele já que era ela que estava em roaming. Ligou, e quando o marido atendeu, ficou falando com dificuldade sem que ele imaginasse que ela estava muito ocupada chupando o pau de outro, e explicou que estava com muita dor de cabeça, provavelmente pelo desconforto da viagem, e que nem tinha descido para acompanhar as amigas no barzinho para jantar, e preferiu ficar no quarto descansando. Logo em seguida, ele demonstrou estar mais aliviado, e pediu que ela descansasse em paz, porque não iria ficar esticando a conversa na ligação, ela agradeceu, e com uma carinha de puta deliciosamente safada, desligou e continuou mamando até eu jorrar meu leite em sua boca.

Depois de saciar sua fome, nos arrumamos, percebemos que já haviam se passado 40 minutos, e me pediu que eu descesse, me despedisse na portaria para saberem que ela já estaria sozinha, e saísse para o lado direito, enquanto depois de uns 10 minutos ela sairia para o lado direito, me encontrando na rua aos fundos do hotel, para irmos até a minha casa. Assim fizemos e partimos para mais algumas horas juntos durante a noite.

Colocarei mais relatos aos poucos, mas isso, é outra história.

🙂

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *