BORRACHEIRO DO MEU BAIRRO COMEU MEU CU

Sempre senti tesão por um borracheiro que morava no meu bairro, o nome dele era Seu Juliano, ele tinha mais ou menos 40 anos, machão casado, 175m de altura, um negro parrudão que comia muita puta, uma bunda enorme, pernas impressionadamente grossas e deliciosas. Eu sempre tive muito tesão por ele, mas tinha medo de apanhar caso fizesse algo de errado, ou dele sair contando para quem me conhecia minha intensões…

Tudo aconteceu num sábado do mês de junho, como todos sabem aqui no nordeste durante esse mês tem festa pra todo lado, estava voltando pra casa, já chegando, umas 2 horas da madrugada quando o pneu do carro estourou, me bateu um desespero para ficar na rua sozinho uma hora daquelas, mas pense logo nele, sem malicia, fui então a sua borracharia, sabia que ele atendia 24 horas. Ao chegar na borracharia tive que chama-lo bastante, quando já estava quase desistindo ele respondeu, disse que estava dormindo pesado, de repente abriu a porta, e eu quase desmaiei, um negão enorme, parrudissimo, uma cueca branca e um pacote que mais parecia um melão, alias 3. Abriu a porta, eu disse o que aconteceu, ele me pediu pra entrar, enquanto ele lavava o rosto e se organizava, era um lugar simples, dava pra ver seu quarto da borracharia, que claro a essa hora estava fechada, logo voltou e descaradamente, ou por achar que estava na frente de um homem, mas só de cuecas, com seu cacetão, ele me pediu para explicar o que tinha acontecido, logo eu expliquei que o pneu do carro tinha estourado e queria que ele fizesse alguma coisa, ele então completou:

_Meu amigo, minha esposa viajou para o sertão, to sozinho em casa, vou lá concertar, mas você vai pagar caro, pois estava batendo uma pra ir dormir.

Eu disse que sem problemas, pois eu queria ir dormir também… Ele completou:

_Pois vou concertar e você vai dormir gostoso, pode ter certeza!

Ele vestiu uma roupa e fomos até o carro, ele disse que como estava próximo a borracharia, era melhor leva-lo devagarinho para lá. Fomos então eu e ele rapidinho, ele parou na frente da borracharia, abriu a porta grande e pois o carro para dentro. Ele rapidamente fechou a porta, e ficamos só nós dois lá dentro, nessa hora eu senti sua total malicia, pior que, acho que quando eu chamei na porta ele já planejou alguma coisa. Ele passou por trás de mim e descaradamente passou por trás de mim encontrando seu imenso pacote. Eu fui nas nuvéns… Ele olhou o pneu e disse, você não quer deixar o carro aqui, dormir um pouco, já são 3h da manhã, amanhã é domingo, você descansa e logo cedo eu concerto. Cara, eu tenho que ir pra casa, ele levantou-se e veio até mim, me abraçou por trás e completou:

_Homem, relaxa, eu vi algumas vezes você olhando pra mim, sei que você gosta de dar o cusinho, aproveita que to sozinho e vem pra minha cama, quero gozar geral no seu cu.

Aquilo me arrepiou de um jeito impressionante, ele me pedindo pra ficar, tava na minha cara que eu queria dá pra aquele negrão, nisso ele me falou que seu desse pra ele, não ia cobrar nada ai e que naquela noite eu seria a puta dele. Como não tinha nada a perder, só a ganhar resolvi me entregar.

Ali mesmo ele tirou o calção, era uma pica grossa, não muito grande, ele me abraçou e me beijou, achei sentir um pouco de gosto de cerveja, acho que ele estava bebendo sozinho, ele tinha uns peitões gostosos de homem macho que pega no pesado, eu chupei, mas ele também queria me chupar, era sensacional, nos estávamos nos pegando ali dentro da borracharia, já pelados, ele me vira de costas, me joga numa mesa de ferramentos toda melada de óleo, e começa a chupar meu cu. Eu me arrepiei, era muito bom, aquele negão era muito macho, truculento, braços grandes e fortes, abrindo minhas nádegas e enfiando toda aquela língua quente no meu rabo. Chupou por uns 5 minutos até que me pediu, agora é a sua vez, vem, chupar. Que pauuuuuuuuuuuuuu, que macho (PS: Estou com água na boca me lembrando)

Ele então me levou para o seu quarto, cama de casal. Ele deitou na cama

One Comment

  1. Avatar

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *